quinta-feira, 12 de novembro de 2009

The Word is Work!! (parte II)

ilustra: Normam Rockwell


- Ana, você quer trabalhar? – perguntou a outra Ana (brasileira também).
- Claro! De que?
- Baby sitter!

Era uma terça-feira. A conversa foi rápida, entre uma fala e outra da professora Zoryana – uma russa que fala pelos cotovelos e é capaz de metralhar 10 palavras por segundo. Às vezes lhe falta o fôlego (ela fica vermelha rs). Mas tudo parou em minha volta por não sei quanto tempo e um flash dos primeiros meses da Iris (minha afilhada no Brasil) passou como um raio e a resposta saiu Zoryanamente: Claro!!
No outro dia, estava eu na casa do Mr. Ragan* conversando com a cozinheira, que na verdade é uma espécie de governanta, também brasileira.
- Você tem alguma experiência com criança?
- Tenho alguma sim.. sei trocar fraldas (“aim, será que ainda lembro?” – minha mente se manifesta), colocar para dormir e acho q ainda lembro como se distrai uma criança de um ano e meio.
Ela sorriu e disse: - mas são duas! Gêmeas.
Ela me levou ao quarto e oportunamente era hora de? Yes! Change the dipers!
Fofuras lindas, mas como todo ser humano (ainda que pequenino e delicado) com um potencial arrasador de produzir verdadeiras “armas biológicas”. “Aquilo” (falo, aquela merda toda) não era fraca, poderia abalar toda Manhattan se lançada em queda livre. Fiquei tão nervosa que quase coloco a frauda ao contrário, se não fosse o fato de procurar desesperadamente pelas fitas adesivas laterais e perceber o “lapso”. No mesmo instante, Dina (a governanta) me olha com aquele olhar de preocupação e observa: - querida, você precisa ser bem mais rápida, por que normalmente elas não ficam assim quietinhas, como estranhamente estão agora.
Rápido me certificaria do que Dina alertara. Mas como disse um dia minha companheira de trabalho e classmate: “pagando bem, que mal tem?”.
Mr. Ragan confia em Dina e só foi me conhecer no primeiro dia de trainee (na sexta-feira da mesma semana). Ele é o dito homem perfeito: bonito, sensível, honesto, corajoso, inteligente, bem humorado, rico... e gay!
A versão que ouvi de quem trabalha lá há mais tempo é de que Mr. Ragan lutou por anos para adotar uma criança, mas o direito lhe fora insistentemente negado devido ao fato de ser “homem” solteiro, o que o fez recorrer a um método ilegal, polêmico, mas bastante comum aqui nos EUA: Barriga de Aluguel. Mais tarde descubro que a pratica (que agrega logicamente inseminação artificial) resulta na maioria das dezenas de gêmeos que todos os domingos se distraem com suas babás no Central Park.
Não quero aqui levantar essa questão – pra mim profundamente ética – da manipulação genética e muito menos da mercantilização do corpo, simplesmente por não achar que aqui seja o lugar e o momento. O fato é que o contexto é atípico para mim e que tem sido uma experiência incrível, que um dia me ajudará a descorrer com melhor habilidade a respeito do assunto.
No momento, de tudo o que importa saber, é que Clara* e Ana* (como o “mel de melão e o novelo de lã no ventre da mãe”) foram geradas, essas duas ladies encantadoras. Filhas de um verdadeiro Lord.
Estou há um pouco mais de um mês trabalhando com essa família, e se por um lado perdi todos os fins de semanas deliciosos com meus conterrâneos em New Jersey, ganhei dias lindos de outono no Central Park (aonde passeamos com elas), que apesar de trabalhosos, também são dias regados a abracinhos de quem aqui também me chama carinhosamente de “Dinha” (feito minha afilhada no Brasil), palavras delicadas e deliciosamente assotacadas como “landa!” (“linda”), e a certeza de que não existe lugar ou circunstância nesse mundo estranho onde Ele não esteja com todo amor nos acolhendo e redimindo.
-----------------
*Ragan, Dina, Clara e Ana nao sao os verdadeiros nomes da familia com quem trabalho.

12 comentários:

Marluci disse...

uau amiga muito dez, adoro ler o que vc escreve. pEçO a Deues pra que ELe te encha de muito amor nesse tempo e seja transboradado...elas são lindas !

Anônimo disse...

chorei. Ana Paula

Anônimo disse...

Ahhh... a ritneira vida fica mais intrigante às suas palavras...
Saudade
bjos
Mila

Rose disse...

Gostei do texto.

Sylmara disse...

dinha linda!!! :)

aliel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
aliel disse...

Claudinha, adorei tua história! Pelo que conheço de ti, deve estar sendo uma experência e tanto. Me parece que está tudo bem, que bom.

Escreva mais! Prometo que visitarei teu blog mais vezes.

Beijos saudosos.

sblanco disse...

Dinha você é surpreendente e ler o que escreves, não só pela novidade de vida, mas também pela bela poesia que descreves é simplesmente MARAVILHOSO.
Ter uma amiga como você é um presente maravilhoso, obrigada por sua amizade.
Aguarde mais uns dias que em breve conto minhas novidades, sinto muito em adiantar que infelizmente não é algo tão prazeiroso quanto conhecer a Itália, mas vais poder me visitar se tudo der certo.
Abração e fica com Deus: Sonia Blanco

Hilda disse...

Admiro sua coragem de mudar... Sua ousadia ao seguir as "placas"...
Você sempre escreveu muito bem e continuas... agora escrevendo novos dias... Parabéns! Vitórias sempre!
Abcs.

Anônimo disse...

Dinha, li de novo teu post... e me emocionei novamente! lindo dinha, lindo, lindo! Queria ser corajosa q nem tu e escrever assim, q nem tu tb :)
Muitas saudades...
Oramos por ti hj, viajem-chicago.
Bj!

Sylmara disse...

não sou anônimo, sou sylmara! :P

Ana disse...

Os bebês estava quietos por causa da sua boa energia. Foi só a Dina falar, e cataplaft!

Obviamente não dá pra colocar fotos deles aqui, mas que vontade de ver você de dinda de verdade!

beijo!